Uma mulher escolhendo roupas para seu bebê

Miomas e Gravidez

Sem dúvida alguma esta é uma das questões mais importantes que lidamos no consultório quando estamos diante de uma paciee com miomas uterinos e que deseja engravidar. Sabemos que inúmeras mulheres engravidam sem maiores dificuldades, apresentam uma gestação absolutamente normal e têm seus filhos sem complicações apesar dos miomas. Além disso, podemos dizer também, que a maioria destas mulheres nunca soube e nunca saberão que tem miomas uterinos.

Mas, quando os miomas interferem, existem maneiras diferentes de este evento acontecer. As principais questões a serem levantadas quando o assunto é miomas e gravidez são:

1. Os miomas dificultam a engravidar?

Sabemos que não são todos os tipos de miomas que podem levar a uma dificuldade para engravidar. Na verdade, a maioria dos miomas não tem essa característica. Para que essa dificuldade ocorra, os miomas basicamente dificultam o encontro do espermatozoide com o óvulo. Isto pode ocorrer de várias maneiras. Pode ser com um mioma submucoso ou com um ou vários intramurais que distorcem a cavidade uterina ou comprimem as trompas.

2. Os miomas aumentam o risco de abortamento?

A maioria das mulheres que tiveram um abortamento espontâneo nos primeiros três meses de gestação nunca soube que estavam grávidas. Diversas causas podem estar relacionadas a estes abortamentos precoces, sendo a mais comum, alterações genéticas fetais incompatíveis com a vida. No entanto, se os miomas estão presentes, tendemos atribuir as perdas a eles. Mas, para isto, é necessário estabelecer se eles ocupam ou distorcem a cavidade uterina. Estes miomas podem sim levar a um aumento do risco de abortamento espontâneo no primeiro trimestre da gravidez. Perdas gestacionais no segundo e terceiro trimestres da gravidez, por sua vez, estão raramente associados a problemas fetais. Geralmente, podemos atribuir estas perdas a problemas uterinos, dentre eles os miomas.

3. Os miomas podem levar a complicações durante a gravidez e no parto?

Se os miomas não causam infertilidade ou abortamentos, eles podem levar a um aumento das complicações durante a gravidez. Os miomas possuem receptores para os hormônios produzidos durante a gestação. Por este motivo, quase sempre podemos observar o crescimento dos miomas durante a gravidez. Esse crescimento é variável e dependente de diversos fatores, como vascularização e localização dos miomas.

Os miomas durante a gravidez podem sofrer o que chamamos de auto embolização. Esta auto embolização ocorre quando o mioma cresce mais do que sua capacidade de receber sangue para sua própria nutrição. Com isso, o mioma começa entrar em infarto, ou seja, o mioma literalmente morre. Por este motivo, a dor é mais frequente do que em pacientes grávidas sem miomas, ocorrendo em até 15% das gestantes com miomas. Os miomas também podem aumentar a incidência de partos prematuros, ocorrendo em até 20% das pacientes. Estes dois eventos ocorrem mais quando os miomas crescem significativamente de tamanho e quando os miomas se localizam próximos à placenta.

Esta localização dos miomas próximos à placenta também aumenta consideravelmente a incidência de descolamento prematuro de placenta. A incidência de descolamento prematuro de placenta pode chegar até 60% em miomas com esta localização, contra 2,5% para miomas em localizações diferentes. Em gestantes com miomas, o risco de sangramento no primeiro trimestre é duas vezes maior. O risco de apresentação pélvica é quatro vezes maior. O risco de contrações uterinas ineficazes no momento do parto é duas vezes maior e o risco de cesariana é seis vezes maior. Não existem evidências que o crescimento fetal intra-uterino seja afetado.

4. Se os miomas forem tratados, quais as consequências deste tratamento para a fertilidade e para uma futura gravidez?

Apesar do risco de infertilidade, de abortamentos e de complicações durante a gravidez, não existem evidências de que os miomas devam sempre ser tratados em mulheres que desejam engravidar. As complicações dos tratamentos e seus efeitos colaterais também devem ser levados em consideração na relação risco-benefício quando estamos diante de um caso destes.

As evidências científicas demonstram ser a miomectomia (retirada cirúrgica do mioma) o padrão ouro para mulheres que possuem miomas, desejam engravidar e necessitam de tratamento. No entanto, as miomectomias por laparotomia e laparoscopia estão relacionadas a uma incidência elevada de formação de aderências pélvicas. Estas aderências podem levar não só a dor, mas também a distorções anatômicas da pelve, bloqueando as trompas, levando à infertilidade. Além disso, essas miomectomias, quando não são realizadas com suturas uterinas adequadas, aumentam o risco de ruptura, devido à fragilidade que causam a parede uterina. A ruptura uterina está associada a um alto índice de morte fetal. Já a miomectomia videohisteroscópica não está relacionada a um aumento da incidência de ruptura uterina. Diversos estudos não demonstraram impacto na infertilidade deste tipo de miomectomia. Embora sinéquias uterinas (aderências intrauterinas) possam ocorrem após uma miomectomia por videohisteroscopia, elas podem ser facilmente desfeitas, restabelecendo a anatomia da cavidade uterina.

Na década de 90, a embolização surgiu como um método alternativo e promissor no tratamento dos miomas uterinos. De fato, a embolização dos miomas uterinos é um dos tratamentos com menor índice de complicações e com índice de sucesso bastante satisfatório. No entanto, não devemos ignorar o possível impacto que ela pode ter na fertilidade da mulher com miomas. Apesar da evolução da técnica e da sofisticação dos materiais utilizados ter diminuído significativamente os riscos, a embolização também pode trazer consequências negativas na fertilidade da mulher. A disfunção ovariana, temporária ou não, levando a amenorreia (parada da menstruação) pode ocorrer em 5% a 8% dos casos. Isto pode ocorrer por dois motivos. Primeiro pela radiação que os ovários recebem durante o procedimento (por se tratar do uso de imagens geradas por um equipamento de radiologia digital, com emissão de raios-X), segundo pela possibilidade de embolização dos vasos responsáveis pela vascularização dos ovários. Além disso, existe a possibilidade, mesmo que remota, de embolização total ou parcial do endométrio, com comprometimento da vascularização deste, dificultando o preparo deste endométrio para a implantação do ovo fecundado ou até mesmo aumentando as chances de desenvolver uma placenta acreta, ou seja, quando a placenta está intimamente aderida à parede do útero, dificultando seu desprendimento após a saída do recém-nato. Felizmente, o aprimoramento da técnica, o uso de materiais cada vez mais modernos e a existência de equipes cada vez mais experientes estão diminuindo consideravelmente a incidência destas complicações.

Por fim, a ablação dos miomas por ultrassom focalizado guiado por ressonância magnética (MRgFUS) tem se mostrado um método bastante eficaz no tratamento dos miomas sintomáticos, principalmente os que estão relacionados à infertilidade. A grande vantagem deste tratamento está em possuir um índice baixíssimo de complicações. Apesar de já existirem relatos de gestações após o tratamento com MRgFUS, muitos estudos ainda são necessários para classificar este tratamento totalmente seguro para mulheres que desejam engravidar. Mas, evidências têm sugerido que, muito em breve, a ablação dos miomas por ultrassom focalizado poderá ser eleita como mais uma alternativa para o tratamento dos miomas em mulheres que desejam engravidar.

Em pacientes sintomáticas, decidir pelo tratamento dos miomas não é difícil. Mas, muitas vezes, decidir qual tratamento é o mais adequado pode ser algo muito delicado. O desejo de gravidez deve sempre ser respeitado. Já em pacientes assintomáticas, a decisão por realizar o tratamento dos miomas pode ser bastante complexa. Por este motivo, devemos sempre pensar na relação risco-benefício de realizar ou não o tratamento e da relação risco-benefício do tratamento proposto, não se esquecendo de sempre estarmos respaldados pelas evidências científicas e na experiência da equipe que executará o tratamento.

Mulher estressada na mesa do trabalho

Impactos emocionais do mioma uterino – a perda da qualidade de vida

A literatura médica aponta para uma série de sintomas clínicos que as mulheres portadoras de miomas uterinos podem apresentar. Tais sintomas diferem de paciente para paciente, de acordo com uma série de aspectos, entre eles o tipo de mioma, a localização, o tamanho e a quantidade apresentada.

Concordando com o que muitos pesquisadores da área de saúde afirmam, a experiência da equipe do Centro de Mioma, e principalmente a atuação das psicólogas nos atendimentos pré e pós operatórios, indicam que além dos sintomas clínicos, a presença de miomas uterinos provoca também uma série de impactos emocionais nas mulheres portadoras.

Tais impactos podem se iniciar na vida das mulheres antes mesmo do diagnóstico comprovado. Isso ocorre porque muitas vezes a mulher possui os miomas e alguns sintomas, mas ainda não procurou ajuda médica ou ainda não foi identificada a presença deles e portanto, confirmado o diagnóstico. O fato é que os miomas uterinos podem provocar uma série de impactos emocionais na vida das mulheres, culminando com uma perda progressiva da qualidade de vida.

Entre uma série de sintomas que os miomas podem causar, podemos citar alguns que estão mais relacionados aos impactos emocionais na vida da mulher: sangramentos, cólicas, aumento do volume abdominal, dor durante as relações sexuais e dificuldade para engravidar ou para manter a gestação.

Estes sintomas vão, em maior ou menor grau, fazendo parte da vida das mulheres. Elas vão criando rotinas e hábitos, ainda que muitas vezes sem perceber, para adaptar a vida e conviver com os sentimentos gerados. Cabe ainda ressaltar que o impacto emocional e suas repercussões têm a peculiaridade de atingir não apenas a mulher, mas também sua rede familiar mais próxima e o cônjuge ou namorado.

1. SANGRAMENTO: Gera comportamentos evitativos para não passar situações embaraçosas.

a. Sentimento constante de insegurança se algum sangramento vai ocorrer;
b. Ter que usar continuamente absorventes, normalmente os de maior tamanho;
c. Privar-se de certas atividades por medo de passar situações constrangedoras, como exercícios físicos, ir a praia ou piscina, andar de carro, taxi ou carona sem levar proteção para o estofado;
d. Carregar sempre uma muda de roupa extra e absorventes;

2. CÓLICAS:

a. Necessidade de conviver constantemente com a dor ou o medo de que a dor retorne;
b. Ingestão frequente de medicamentos analgésicos;
c. A dor gerando impedimentos para a prática de atividade de lazer e também de trabalho ou tarefas domésticas e rotineiras.

3. AUMENTO ABDOMINAL: Afeta a auto estima da mulher

a. Diminuição da auto estima da mulher por estar “com a barriga maior”;
b. Necessidade de mudança no vestuário;
c. Ser confundida com uma mulher grávida pela projeção da barriga e o constrangimento associado a isso ou frustração por um desejo de realmente estar grávida sem estar;
d. Experimentar um dos sinais associados à gestação sem estar grávida: a constante vontade de urinar.

4. DOR DURANTE A RELAÇÃO SEXUAL: O impacto na vida da mulher e/ou do casal

a. Queda na frequência de atividade sexual, ou mesmo ausência de vida sexual;
b. Impacto no casamento ou nos relacionamentos afetivos

5. DIFICULDADE PARA ENGRAVIDAR E/OU MANTER A GESTAÇÃO

a. Sentimentos de incapacidade, medo da infertilidade;
b. Impacto no casamento;
c. Vivência da dor e do luto pela perda de uma gestação.

Corpo humano: Fígado

Fígado: um grande aliado no combate ao mioma

O mioma é um problema que causa muita preocupação nas mulheres, especialmente naquelas que ainda desejam realizar o sonho de ser mãe, pois alguns tratamentos para este tumor benigno são invasivos, podem ser inadequados e até mesmo podem levar a retirada do útero da paciente, se não acompanhados e conduzidos adequadamente por médicos especializados e experientes.

Embora as causas dos miomas não sejam completamente conhecidas, mudanças comportamentais e de hábitos alimentares comprovadamente ajudam a combatê-los. Ter uma alimentação balanceada, livre de gorduras, principalmente aquelas presentes em comida processada; ter uma rotina semanal de exercícios físicos para a manutenção do peso e combater o stress; e ter hábitos que não prejudique sua saúde, como fumar e beber em excesso, são algumas medidas adjuvantes ao tratamento dos miomas.

Sabe-se que o acentuado desequilíbrio nos níveis de estrogênio no corpo feminino, que pode ser motivado por diversas razões como a gravidez ou o uso de anticoncepcional, aumenta a possibilidade do rápido crescimento do mioma. O ganho de peso, com ingestão de gordura saturada, também é um perigo quando o assunto é mioma, já que a gordura periférica, principalmente aquela depositada no abdome, quadril e coxas, produz e armazena estrogênio.

Nesse sentido, o fígado é talvez o órgão de maior importância no combate ao mioma, pois ele é ao mesmo tempo o responsável por metabolizar as gorduras ingeridas na alimentação, e pela metabolização e eliminação do estrogênio do corpo – como já foi dito, dois dos fatores fundamentais para o desenvolvimento do mioma. Portanto, um fígado saudável remove o excesso de hormônios e toxinas do corpo, sendo por isso essencial que a mulher o trate com muito cuidado, através de uma dieta apropriada.

A dieta tem que eliminar completamente gorduras encontradas em carnes vermelhas, embutidos (por exemplo: salsicha, linguiça, salame e mortadela) e produtos lácteos, e aumentar o consumo de fibras encontradas em frutas, legumes, verduras e cereais, assim menos gordura ingerida, será menos gordura absorvida pelo intestino. Portanto, o fígado será menos sobrecarregado na metabolização das gorduras e se ocupará com mais intensidade do processamento do estrogênio. A cafeína, por exemplo, pode influenciar na produção e no equilíbrio hormonal por interferir na capacidade do organismo de utilizar as prostaglandinas, que são essenciais na produção dos hormônios. Além disso, a cafeína também compromete a capacidade do fígado de metabolizar o estrogênio, promovendo um desequilíbrio hormonal ainda mais evidente. O álcool também é especialmente perigoso, já que sobrecarrega o funcionamento do fígado, prejudicando a metabolização dos hormônios. Alimentos como alcachofra, alguns chás, e outros ricos em vitamina B6 são recomendados já que ajudam o fígado a trabalhar melhor.

Ou seja, o fígado é um aliado indispensável adjuvante no tratamento dos miomas; se bem cuidado, seguindo todas as recomendações médicas, não sobrecarregando seu funcionamento com o aumento da ingestão de alimentos indesejáveis, ele pode ajudar a estabilizar o tamanho do mioma ou até mesmo diminuir as chances de novos miomas surgirem após tratamentos que preservem o útero, como a miomectomia e a embolização dos miomas.

Barriga Feminina

Miomas: quando não tratar?

Sabemos que os miomas acometem até 80% das mulheres na idade fértil. No entanto, apenas cerca de 30% deste percentual apresentam sintomas que necessitam de tratamento.

A pergunta nem sempre é quando tratar os miomas, mas quando não tratar?

A necessidade de responder esta pergunta me ocorreu principalmente após receber cada vez mais em meu consultório mulheres com múltiplos e volumosos miomas em que o ginecologista apenas indicou acompanhá-los. Talvez por falta de preparo, talvez por falta de confiança em indicar um tratamento adequado que garanta o tratamento dos miomas sem a retirada do útero. Assim, muitas portadoras de miomas que tem sua qualidade de vida visivelmente alteradas acabam por retardar o tratamento dos miomas, perdendo muitas vezes o momento ideal de tratar os miomas com a preservação do útero e através de tratamentos menos invasivos.

Classicamente, os miomas que não causam sintomas não precisam de tratamento. No entanto, esmiuçar os sintomas é uma obrigação por parte dos ginecologistas. Isto porque mulheres que possuem poucos sintomas, tendem a negligenciá-los.

A adaptação a discretos aumentos do fluxo menstrual e das cólicas é muito comum. Utilizar absorventes maiores, trocá-los com mais frequência e aumento do uso de analgésicos durante a menstruação pode ser um indicativo. Pequenos aumentos da circunferência abdominal também não trazem desconfiança, pois muitas vezes é atribuído ao aumento de peso. Assim, como as idas mais frequentes ao banheiro para urinar também incomodam pouco, porque a tendência acaba sendo ingerir menos líquidos para evitar este sintoma, principalmente quando sabidamente ficará longos períodos na rua ou em viagens longas, onde o acesso aos sanitários é mais difícil. A dor durante as relações sexuais também pode surgir de maneira bem insidiosa, pois quase sempre melhora com a mudança da posição e poucas vezes é incapacitante. Além do mais, quando não perguntadas, muitas mulheres não comentam este sintoma com seu ginecologista, fazendo-o não prosseguir na investigação. E, a infertilidade causada pelos miomas. Bem, essa acaba sendo percebida somente quando a mulher efetivamente tenta engravidar. Ou seja, a dificuldade para engravidar pode perdurar por anos, até que seja diagnosticada. No entanto, com exames mais específicos não fica difícil diagnosticar os miomas que realmente causam infertilidade, mesmo os que não causam nenhum outro sintoma. Não raro, mulheres com infertilidade acabam diagnosticando os miomas como causa ao procurarem as clínicas de reprodução assistida para fazer uma fertilização in vitro ou uma inseminação artificial.

Ter certeza que o mioma não causa nenhum sintoma é o primeiro passo para pensarmos que não há a necessidade de tratá-lo. O segundo passo está no diagnóstico preciso do tamanho e da localização dos miomas, através principalmente de uma ressonância magnética. Em geral, miomas com tamanho superior a 5 centímetros causam sintomas. Mas mesmo quando não causam é prudente tratá-los, isto porque estes miomas dificilmente estabilizam neste tamanho e tendem a crescer continuamente, exceto na menopausa. E, num mioma deste tamanho, na maioria das vezes, é possível lançar mão de um tratamento minimamente invasivo, como a embolização dos miomas e a miomectomia por laparoscopia.

Uma vez decidido não tratar os miomas, estabelece-se como será o acompanhamento e o intervalo deste. Feito o diagnóstico preciso do tamanho, do número e da localização dos miomas, a estratégia inicial deve ser observar num intervalo curto de tempo (em até 6 meses) o comportamento dos miomas. Se a mulher já fizer uso de anticoncepcional podemos mantê-lo. Se não fizer uso, tendemos a não introduzi-lo, para justamente observar se há ou não o crescimento do mioma neste período sem qualquer interferência do hormônio exógeno.

No retorno, conduzir o acompanhamento com novos exames de imagem que tragam confiança nas medições do mioma. Se não houver crescimento, segue-se o acompanhamento, podendo ser a cada 6 meses ou até 1 ano. Se houver, investiga-se sobre o aparecimento de sintomas e pode-se tentar inicialmente trocar ou introduzir o uso do anticoncepcional na tentativa de frear o crescimento do mioma. Em crescimentos mais agudos, parte-se logo para um tratamento comprovadamente mais eficaz.

Contudo, o acompanhamento dos miomas não deve consistir em apenas pedir para a paciente retornar após algum tempo com uma simples ultrassonografia. Informar e orientar de maneira que ajude na estabilização do tamanho do mioma é uma obrigação. As orientações devem sempre pairar sobre dicas de alimentação, manutenção ou perda de peso, realização de atividades físicas e medicamentos ou suplementos alimentares que devem ser evitados, sempre com o intuito de evitar o crescimento dos miomas.

Imagem do corpo humano com o útero cor de rosa

Perder ou não o seu útero? Eis a questão

No ano de 2013, segundo levantamento realizado junto ao DATASUS, foram realizadas 105.093 histerectomias (cirurgia para retirada do útero) no Sistema Único de Saúde (SUS). Dessas, 96.917 são classificadas como histerectomias para patologias benignas, sendo a principal doença benigna os miomas uterinos. Também num levantamento junto ao DATASUS, em 2013, foram realizadas apenas 5.267 miomectomias (cirurgia para retirada somente dos miomas).

Analisando esses dados, a principal conclusão que tiramos é que, infelizmente, a grande indicação para tratamento dos miomas uterinos ainda é a retirada do útero.
Os defensores da histerectomia até podem argumentar que muitas dessas mulheres já possuíam a prole completa, ou seja, já tinham filhos e não desejavam ter mais. Mas o fato é que, independentemente do fato da mulher ter sua prole completa, será que foi perguntado a cada uma dessas 96.917 mulheres se elas queriam preservar o útero? Ou seja, quantas vezes o direito da mulher de querer preservar o seu útero numa doença benigna foi respeitado?

E mais, será que também foram oferecidas outras opções de tratamento que preservasse o útero? Será que essas outras opções estavam disponíveis? Se não estavam, por quê? Por que somente 5.267 mulheres tiveram seu útero preservado? O que fez o destino dessas ser diferente das demais? Será que foi somente o desejo delas em preservar o útero, talvez visando uma gravidez? Ou será que elas caíram nas mãos de serviços médicos de excelência com cirurgiões empenhados e capacitados em preservar seus úteros?

Bem, são perguntas para as quais devemos sempre buscar respostas. Principalmente, porque, cada vez mais, mulheres desejam preservar seu útero, mesmo que não tenham o desejo de gestar. Hoje, as mulheres sabem que estão diante de uma doença benigna e sabem também da existência de tratamentos que melhorem a qualidade de vida ao mesmo tempo que preservam o órgão. Mas, perder o seu útero, infelizmente, pode não ser uma questão apenas de opção da mulher. Está claro que, muitas vezes, é uma questão da falta de opção. Da falta de lhe oferecerem a opção. Da falta de terem a opção. Ou pior, da falta de saberem a opção.

Acredito que criando uma massa crítica de mulheres bem informadas acerca dos miomas uterinos e das alternativas de tratamento que preservem o útero, poderemos mudar a postura do profissional médico diante da mulher com mioma uterino e, quem sabe, aumentarmos o número de mulheres que têm seu útero preservado no tratamento dos miomas.

Mulher estressada na frente do computador

A influência do estresse no tratamento dos miomas

Muitas pesquisas comprovam cientificamente que o seu modo de vida determina malefícios e benefícios relacionados à sua saúde. Com o mioma, doença cuja causa ainda não é totalmente conhecida e com ocorrência em mais de 80% das mulheres em idade fértil, não é diferente.

Alimentação, boa ou má, atividade física frequente ou não, e o nível de estresse são elementos que podem atuar positiva ou negativamente na vida da mulher, inclusive no surgimento e crescimento dos miomas. O último destes elementos citados, o estresse, é um fator que pode influenciar bastante a prevenção ou o desenvolvimento dos miomas e seus sintomas.

Hoje todos estão sob efeito de diferentes tipos de estresse e por isso, é extremamente importante tomar providências para amenizar causas e efeitos do estresse. Praticar atividades físicas variadas, alimentação regulada e atitudes que aliviem o estresse, por exemplo, são medidas que aumentam muito a qualidade de vida, prevenindo ou auxiliando no tratamento de doenças como o mioma.

Miomas x Estresse

Ainda que nenhuma pesquisa tenha demonstrado factualmente que o estresse seja uma das causas do surgimento do mioma, outras tantas o apontam como um fator de risco associado para mulheres com a doença. Os efeitos do estresse na vida das mulheres ainda estão sendo estudados; os médicos especializados, contudo, são categóricos ao afirmar que o estresse aumenta significativamente os níveis do fator de crescimento tumoral, uma substância produzida pelo nosso organismo capaz de fazerem os miomas crescerem com maior rapidez. Assim, quando estão sob fatores de estresse severos, como perda de um ente querido, separações, casos de doença grave na família, demissões ou emprego novo, mulheres com miomas podem surpreender-se com crescimento rápido de seus miomas.

O estresse pode intensificar a dor ou tensão muscular, que, por sua vez, pode se acumular em áreas como a região lombar, pélvis, ombros e braços, causando fadiga generalizada e dor de cabeça. A redução do estresse atenua esses sintomas, e, mais ainda, ajuda a normalizar o momento de liberação dos hormônios da mulher, já que, quando em níveis altos, ele pode atuar quimicamente nas suas glândulas, interferindo negativamente no seu ciclo menstrual.

É verdade que não se pode controlar a ocorrência de sangramento ou dor quando os miomas já estão alojados no útero, mas se pode ter a capacidade de instituir mudanças de estilo de vida que atuem na redução do nível de estresse na sua vida, o que certamente irá controlar esses sintomas ou até mesmo preveni-los.

Mulher com cólicas abdominais

Como identificar um mioma?

Também conhecido como fibroma ou leiomioma uterino, um mioma é um desenvolvimento anômalo das células que ocorre a partir do tecido muscular liso do útero, configurando uma massa sólida. O mioma é um tumor benigno, que não apresenta vinculo direto com o risco aumentado de desenvolver um câncer no útero.

Muito discreto e silencioso, o mioma pode não causar nenhum tipo de sinal ou sintoma, considerando que aproximadamente 70% a 80% das mulheres que enfrentam esse tipo de problema não possuem indicadores de tal formação. Porém, alguns dos detalhes mais simples podem ser fatores que levem a identificar a presença de miomas no útero.

Para prestar atenção em seu organismo e entender sobre os sintomas que podem indicar miomas, confira um pouco mais sobre o assunto e descubra quando você deve ou não se preocupar com o problema, redobrando sua atenção sobre as sensações de seu organismo e o risco de encontrar transtornos maiores.

Quais são os sintomas mais comuns do mioma?

Para identificar a presença de miomas, os primeiros sintomas a serem levados em consideração são o sangramento menstrual excessivo, aumento das cólicas menstruais e a sensação de peso em baixo do ventre, que também pode desencadear um aumento de frequência urinária e o aumento do volume abdominal.
No sangramento vaginal abundante, que ocorre principalmente na época menstrual, o hiperfluxo trará a saída de coágulos, considerando que pode acontecer também fora da menstruação ou por períodos prolongados. Os problemas de peso no ventre derivam da compressão da bexiga e do intestino, pois com o crescimento dos miomas, os limites da pelve são extrapolados e o aumento do volume abdominal é uma consequência evidente.

A dor pélvica, por sua vez, pode acontecer também durante o ato sexual. A dor pode ocorrer na região lombar e irradiar para o baixo ventre. Essas dores pélvicas podem ser representadas por cólicas, pontadas ou queimação, e podem estar relacionados à própria menstruação excessiva.

O sangramento por períodos prolongados, chamado de metrorragia, pode levar a anemia se não for identificado e tratado com antecedência.

Quais os problemas que o mioma pode acarretar à fertilidade da mulher?

O surgimento de miomas pode causar não apenas uma dificuldade para engravidar como também problemas na manutenção da gravidez.

Os miomas submucosos são os mais prejudiciais: Localizados na cavidade uterina, eles podem atrapalhar o acesso de espermatozoides às trompas, impedindo, consequentemente, a chegada dos mesmos ao óvulo, dificultando a implantação de embriões na cavidade uterina e a consequente gestação.

Os miomas intramurais e transmurais também podem causar infertilidade, pois graças à sua localização e seu volume elevado, eles podem distorcer a cavidade uterina e acabar provocando uma compressão elevada sobre as trompas, dificultando de forma mecânica o encontro dos espermatozoides com óvulos e a implantação de embriões para garantir a gestação.

Os miomas intramurais e transmurais que levam a infertilidade são, em geral, maiores do que cinco centímetros de diâmetro.

Para minimizar os riscos, é essencial consultar um médico especialista e esclarecer suas duvidas sobre a possibilidade de engravidar frente aos problemas encontrados com miomas de qualquer tipo e tamanho em seu útero.

Frutas

Os vilões da alimentação no combate aos miomas

A medicina ainda não descobriu a causa exata dos miomas uterinos. No entanto, estudos científicos sugerem que fatores comportamentais possam predispor ao aparecimento e crescimento dos miomas.

Sabemos a importância que a alimentação tem em nossas vidas e a capacidade que ela tem em influenciar no desenvolvimento de diversas doenças. Em relação aos miomas diversos estudos se propõem a comprovar associações entre a dieta e risco para o mioma uterino.
O pão branco é um dos vilões no combate aos miomas.Um estudo publicado no American Journal of Clinical Nutrition sugere que mulheres que baseiam sua alimentação em índices glicêmicos elevados possuem um maior risco ao aparecimento dos miomas uterinos. Bebidas açucaradas, doces em geral, pão branco e arroz branco são alimentos com altos índices glicêmicos e podem levar a picos de açúcar no sangue e níveis de insulina mais elevados, que estão relacionados a outros hormônios que estimulam o crescimento dos miomas uterinos.

Este estudo também relatou a evidência de que mulheres que comem muita carne, presunto e outras carnes vermelhas estão mais propensas aos miomas, enquanto as que possuem uma dieta rica em peixes, verduras e frutas parecem diminuir este risco. As mulheres que comem pelo menos duas porções de frutas por dia estavam menos propensas e ter miomas. O estudo acrescenta que os antioxidantes presentes na fruta podem diminuir o risco de se ter miomas.

Enquanto os investigadores continuam em busca da causa definitiva e das técnicas possíveis na prevenção dos miomas, é altamente recomendado às mulheres a prática de exercícios físicos preferencialmente ao ar livre, uma alimentação balanceada e consultas periódicas ao ginecologista.

Entrevista com Dr. Michel Zelaquett – Embolização Uterina

Etel Luna conversa com Dr. Michel Zelaquett sobre Embolização Uterina.

Mulher na mesa do escritório digitando no notebook

Dr. Michel Zelaquett fala sobre as principais dúvidas que chegam em seu consultório

No dia 9 de março/2015, foi realizada uma palestra on-line com o Dr. Miche Zelaquett, médico responsável e diretor do Centro de Mioma, onde ele pode explicar com um pouco mais de profundidade sobre as principais dúvidas que as pacientes levam até seu consultório. No fim da palestra houve uma interação onde foram respondidas algumas perguntas enviadas pelas pessoas que estavam assistindo.

Dentre os assuntos abordados estão:

  • Quando tratar os miomas?
  • Quando não tratar os miomas?
  • Qual o melhor tratamento para os miomas?
  • Tratamentos medicamentosos
  • Uxi amarelo e Unha de gato
  • Miomectomias
  • Embolização dos miomas
  • Retirada do útero. Quando?

Importante: Tivemos um problema com o som no início da palestra nos primeiros minutos. Você pode adiantar o vídeo para 8’30” (oito minutos e trinta segundos) quando o som já está corrigido.